Tag Archives: Blog

A Rainbow of Colours (PT/EN)

É assim a nossa presença, um arco íris de cores, da mais fria à mais quente.

Ouve-se falar tanto da dualidade, de triste a feliz, de verdadeiro a mentiroso, de preguiçoso a hiperativo, de concentrado a destrambelhado, de pálido a moreno e verdade seja dita que a aceitação de que aqui, limitado por esta pele, se vive tudo isto, não é tarefa leve.

O perceber que por vezes nos sentamos no banco da vítima e noutras no papel do agressor, que muitas vezes somos compassivos e outras vezes de uma intransigência atroz, de que tanto vestimos as cores frias do inverno como as cores quentes do sol tropical. E sentirmos-nos em paz, por aos poucos e com o tempo percebermos que somos disto tudo um pouco. Que não é porque às vezes somos agrestes, que não podemos perceber e ver em nós onde por vezes também somos imensamente bondosos.

O Arco Íris tem isto, as várias cores do espectro em toda a sua amplitude e frequência hertziana. A dificuldade é a aceitação, a paz quando se sabe que na superfície que reflete a nossa flexibilidade e fluidez existem as cores do controlo e inflexibilidade.

#Aceitação #Paz


EN

This is how our presence is, a rainbow of colors that range from the coldest to the warmest.

One hears so much about duality, from sad to happy, from true to liar, from lazy to hyperactive, from concentrated to unruly, from pale to dark, and truth has to be said that the acceptance that we live all of this in the limits of our skin, is not a light task.

To realize that we sometimes sit on the victim’s bench and on other times  we stand in the role of the aggressor, that we are often compassionate and other times express an atrocious intransigence, that we wearboth the cold colors of winter and the warm colors of the tropical sun. And to feel at peace, brought little by little and with time to us, as we realize that we are all of this. That even if  sometimes we are harsh,  we can perceive and see in ourselves where we are also immensely kind.

A Rainbow has this, the various colors of the spectrum in all of their’s amplitude and hertzian frequency. The difficulty is acceptance, feeling at peace knowing that in the surface that reflects our flexibility and fluidity there are also the colors of control and inflexibility.

#Acceptance #Peace

Tips to ruin a beautiful relationship

Decidi pôr aqui as mãos na obra e olhar para a beleza com que conseguimos rapidamente arruinar uma boa de uma relação.

Acho que vou fazer isto devagar, porque isto é mel a correr nas nossas veias quentes.

A primeira dica é muito simples, quando encontras a tua cara metade (borboletas na barriga, palpitações cardíacas, estados anaeróbios recorrentes,…) essa vai passar a ser a pessoa responsável pela tua felicidade. Toma nota porque esta dica é fundamental logo no início da relação;)

Assim tudo o que essa pessoa faz (ou não faz), diz (ou não diz) passa a ser determinante para a qualidade do nosso dia, para o tamanho do sorriso na nossa boca e para a velocidade a que este nosso coração palpita.

Assim tu (o outro) passas a ser responsável pela minha felicidade. E se por algum acaso o dia não te corre bem e não estás presente para toda esta salutar conversa que por aqui vai, começo a estranhar. Se calhar já não me consegues fazer feliz, se calhar já não é aqui que queres estar. E a coisa ganha tensão, acidifica.

Quando voltas a estar presente, está aqui aquela tensão, aquele ácido. Fim da primeira dica.

(To be continued)

Welcome New Life

E assim aos poucos aquele princípio que rege o mundo, a Impermanência, está aqui bem juntinho, bem próximo. Aconchegada no nosso colo, pronta a ser recebida, embalada, com as nossas mãos, com o ritmo das curvas dos nossos braços.

Algo novo, por estar tão próximo, tão presente, tão físico, tão tocável. E olhamos esta presença com medo, receio, sem saber muito bem como fazer, não fossem os Avatares dos nossos tempos o terem apresentado, o terem tornado familiar, quase cá de casa.

E o medo traz no outro prato da balança o seu grave peso em algo novo, uma certa fluidez, uns novos tons de cores, uma outra forma de aqui estar, assim momento a momento. Pois se soubermos que o dia de amanhã não existe, e isto é uma certeza, o que é para nós importante neste precioso momento.

Allow It

É de pequenas decisões que preenchemos o nosso dia. Agora isto, daqui a pouco aquilo. E é esta a única real força que temos sobre a nossa vida. As nossas decisões. E não quer dizer que estejamos conscientes quando as tomamos.

E que tal experimentar-mos algo novo. Por exemplo aquela voz repetida na cabeça, que naquele dia só se lembra de todas as situações em que achamos que fizemos tudo errado, e se calhar em vez de nos dedicarmos a ouvir esta mente neurótica, nos decidíssemos fazer algo diferente. Ler algo que nos entusiasme, falar com uns amigos, dispensando aquela conversa íntima, inútil, que em nada nos ajuda, ou melhora o nosso dia.

E se normalmente quando alguém rejeita algo que fazemos, e sentimos mágoa e normalmente nos fechamos e afastamos, que tal estender a mão, mantermos-nos presentes, fazer diferente. O que achas que de tão apocalíptico pode acontecer.

E se quando algo que não gostamos acontece, que tal permitirmos-nos recordar de todas as vezes em que correu bem.

E que tal te permitires?

#Aceitação

A minha outra metade

472b00c356365b5a3849b547be934809

Aguardando pelo amor alheio da minha cara metade coloco em pausa a minha vida.

E se dentro de mim existir essa outra metade pronta a apaixonar-se por este corpo, por este riso, pelos momentos mais sérios, por esta timidez?

E se eu quiser apaixonar-me por mim mesma? E acordar deste estado latente e adormecido. Estarei eu preparada para o beijo do meu príncipe encantado? Do meu guardião da consciência?

 

# Amor Incondicional # Alquimia